"Life feels like a midnight ride..." - SOAD

20 de julho de 2015

Opinião - "A Educação de Felicity", de Marion Chesney

A Educação de Felicity
de Marion Chesney

Edição: 2015
Páginas: 240
Editor: Edições ASA
ISBN: 9789892330167
Série: Academia de Etiqueta #1
Categoria: Romance, Ficção



Sinopse:
Numa época em que as mulheres da nobreza só dispõem de duas opções - casar ou esperar que um parente rico morra - as irmãs Tribble não têm sorte nenhuma. Não só ainda não encontraram o amor como, após anos de bajulação a uma intratável tia velha, vêem o seu nome apagado do testamento aquando da sua morte.
As românticas Amy e Effie Tribble sonhavam com ricos jantares de carne assada e batalhões de criados aduladores mas agora estão oficialmente na penúria. Ironicamente, é neste cenário desolador que lhes ocorre uma ideia brilhante: colocar a sua educação esmerada ao serviço das jovens mais "difíceis", apresentá-las à sociedade e arranjar-lhes casamento.
Não contavam que a sua primeira cliente fosse Lady Felicity Vane, cuja rebeldia ameaça enlouquecer a sua própria mãe e arruinar o projecto sentimental de Amy e Effie. A jovem prefere caçar com os amigos a pensar em casar. Mal ela sabe que o seu suposto pretendente é o homem que mais a irrita (e que mais irritado se sente por ela). Felicity nunca admitirá que o seu coração treme ao ver Charles Ravenswood, principalmente porque o elegante marquês parece não ter paciência nenhuma para as suas extravagâncias. O clima entre ambos é tão tenso que, se soubessem o que as irmãs planeiam, o resultado seria, no mínimo, desastroso…


Tenho tendência para pegar em livros que jogam com o psicológico e que puxem pela imaginação, o ler nas entrelinhas. No entanto, de vez em quando, sabe tão bem ler uma história mais simples, bonita, divertida e que, pura e simplesmente, me distraia. Foi isso mesmo que encontrei em A Educação de Felicity.

Passado numa época em que a sociedade se regia por fortes regras de moral e de comportamento, especialmente dentro das hostes da nobreza, encontramos duas irmãs gémeas, Amy e Effie, numas situação um pouco constrangedora. Já na casa dos cinquenta, solteironas e de modos espalhafatosos, vêem-se, aos poucos e poucos, a perder as suas posses e a entrar na pobreza. Habituadas às lides da alta sociedade, e contando com a promessa de herança de uma velha tia, vão mantendo as aparências, o melhor que conseguem, e sonhando com dias reluzentes. Mas, quando a tia finalmente morre, percebem que tudo será igual, pois não há herança para ninguém! São, então, obrigadas a encontrar uma maneira de se sustentar, trabalhar. Mas, fazer o quê?
A resposta surge num amigo que lhes propõe colocarem um anúncio no jornal oferecendo os seus serviços como educadoras de jovens difíceis, prometendo encaminhá-los e ensiná-los boas maneiras.
O anúncio dá frutos quando são contactadas pela mãe de Lady Felicity Vane, uma jovem rebelde e com maus modos que, em vez de pensar em pretendentes para casar, prefere fazer montadas com os amigos e caçar, não seguindo minimamente os protocolos ou sequer o que os pais lhe pedem. Amy e Effie ficam radiantes e partem com entusiasmo nesta aventura, não imaginando o que as esperaria...
As peripécias são mais que muitas e as personagens, principalmente as manas Tribble, são muito engraçadas. Ambas são estranhas, muitas vezes chamadas de doidas, pouco graciosas e querem passar à força por jovens beldades (que já não são), mas têm um coração de ouro e a inteligência suficiente para se conseguirem desenvencilharem em qualquer situação. Lady Felicity, apesar de não o perceber prontamente, está em muito boas e competentes mãos.

Uma leitura tão fresca e divertida que, mesmo contendo muitas situações meio cartoonish, fez-me passar umas boas horas de leitura. Uma história que evoca o conhecimento, a descoberta  e a aceitação de nós próprios, de amor e amizade. O encontrar o caminho sem deixarmos de ser quem somos, apesar de tudo.

Para além da história, o livro em si é muito bonito, desde a capa até às suas páginas desenhadas. Quase que parecia estar a ler um diário.


Neste momento estou apenas com uma reserva quanto ao livro: este é o primeiro volume de uma série chamada Academia de Etiqueta. A série já é antiga, tendo sido lançada originalmente em 1988, no entanto só agora chegou a Portugal pela mão das Edições ASA. Nada de espanto não tivesse eu andado a pesquisar mais sobre o livro e não ter encontrado qualquer indício do mesmo ou da série no site da editora. Hum... estranho! Não quero estar já a enguiçar isto, mas está-me a querer parecer que a série não vai ter continuação em terras lusas, com muita pena minha. Esperemos que não!!

0 comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo teu comentário! :)

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Seguidores

Também no Blogloving

Follow

Quem por cá passou

Este blogue não segue nem apoia o acordo ortográfico!
Todas as imagens e textos não feitos exclusivamente para este blogue, não me pertencem. Com tecnologia do Blogger.

Copyright © Gritos Mudos Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com