"Life feels like a midnight ride..." - SOAD

13 de dezembro de 2015

Opinião - "Os Homens que Odeiam as Mulheres", de Stieg Larsson

Os Homens que Odeiam as Mulheres
(Män som hatar kvinnor)
de Stieg Larsson

Edição: 2014
Páginas: 539
Editor: Dom Quixote
ISBN: 9789722055000
Colecção: Millennium I
Categoria: Ficção; Policial; Thriller
O jornalista de economia MIKAEL BLOMKVIST precisa de uma pausa. Acabou de ser julgado por difamação ao financeiro HANS-ERIK WENNERSTÖM e condenado a três meses de prisão. Decide afastar-se temporariamente das suas funções na revista Millennium. Na mesma altura, é encarregado de uma missão invulgar. HENRIK VANGER, em tempos um dos mais importantes industriais da Suécia, quer que Mikael Blomkvist escreva a história da família Vanger. Mas é óbvio que a história da família é apenas uma capa para a verdadeira missão de Blomkvist: descobrir o que aconteceu à sobrinha-neta de Vanger, que desapareceu sem deixar rasto há quase quarenta anos. Algo que Henrik Vanger nunca pôde esquecer. Blomkvist aceita a missão com relutância e recorre à ajuda da jovem LISBETH SALANDER. Uma rapariga complicada, com tatuagens e piercings, mas também uma hacker de excepção. Juntos, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander mergulham no passado profundo da família Vanger e encontram uma história mais sombria e sangrenta do que jamais poderiam imaginar.

Adoro pegar num livro expectante de que seja bom e, no final, ficar com a certeza de que além de bom, é brutal! Qualquer ideia pré-concebida sobre a história foi totalmente suplantada aqui.
Para além da acção descrita na sinopse, o autor conseguiu criar acções separadas onde um sem número de personagens, situações e temas díspares se conjugam perfeitamente. Não há um foco específico, mas sim vários que se vão interligando ao longo de toda a história, sendo os seus fios condutores as duas personagens principais, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander. Juntos, irão tentar descortinar um possível crime com quase 40 anos, lutar pela vida, descobrir mais do que pretendiam ao desenterrarem aquilo que deveria ficar escondido, manter a sanidade e criar entre ambos uma ligação emocional impensável, especialmente para Lisbeth, o verdadeiro "bicho do mato" por definição.

Toda a narrativa é bastante descritiva mas nem por isso maçadora, mesmo quando o autor nos conta o que foi o pequeno-almoço de alguém. Na minha opinião, esses pequenos pormenores enriquecem bastante as várias personagens, tornando-as humanas, reais, fazendo-nos sentir mais próximos destas.

Nota-se que todos os parágrafos foram pensados ao pormenor, pois tudo faz sentido, nem que seja 100 páginas à frente. Toda a investigação, todas as definições e explicações do autor (quase como notas de rodapé), todas as descrições (mesmo as mais grotescas) envolvem-nos intensamente, tornando quase impossível a tarefa de pousar o livro por um minuto.

De notar, também, a mensagem subjacente e, ao mesmo tempo, tão descarada e constante - a violência contra as mulheres. Todos os títulos da série evocam as mulheres, em todos os livros há referências ao papel diminuído das mulheres ao longo do tempo e aos números chocantes de casos de violência de que são vítimas. Em todas as suas histórias encontramos algum caso de violência ou discriminação contra mulheres mas sempre mostrando, logo a seguir, a sua força e capacidade de superação. É, de facto, de louvar a perspectiva do autor sobre o assunto que, com a sua escrita, parece querer quase elevar a mulher a um estatuto de Deusa, essa entidade que tudo passa, tudo aguenta mas tudo consegue vencer.

A parte chata de toda a série é o facto de todos os nomes de personagens, cidades, empresas, jornais, e etc., estarem escritos em sueco. Tendo em conta que toda a história se passa na Suécia, é mais do que normal não existir um Zé Manel ou uma Maria Armanda, o que sempre era mais fácil de ler...

Fora de brincadeiras, este livro é irrepreensível. Muito, muito bom em todos os sentidos e o qual passei a recomendar vivamente.

4 comentários:

  1. Olá Andreia,
    Gostei muito da tua opinião. Estou há imenso tempo para começar esta série, mas nunca o fiz.
    A tua opinião reacendeu a minha vontade :)
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isaura! Obrigada!^^ Acho que esta série é uma óptima aposta de leitura. Apesar de serem os "tijolos" que se sabe, lêem-se super bem pois a história está mesmo muito bem escrita e descrita.
      Se pegares na série, depois conta o que achaste ;)
      Beijinho*

      Eliminar
  2. Olá Andreia!
    Li a trilogia o ano passado e adorei! É super viciante!
    Que bom que gostaste =)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Tita!
      É mesmo! Agora ando em pulgas para ler o Rapariga Apanhada na Teia de Aranha para ver se está à altura dos anteriores (a fazer figas).
      Beijinho*

      Eliminar

Obrigada pelo teu comentário! :)

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Seguidores

Também no Blogloving

Follow

Quem por cá passou

Este blogue não segue nem apoia o acordo ortográfico!
Todas as imagens e textos não feitos exclusivamente para este blogue, não me pertencem. Com tecnologia do Blogger.

Copyright © Gritos Mudos Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com